Nova Clinica Luz - Estomatite infantil é contagiosa

Notícias

A estomatite em crianças é mais frequente do que em adultos, sendo mais prevalente na primeira infância. A Nova Clínica Luz esclarece.

Estomatite infantil é contagiosa?

A estomatite em crianças é mais frequente do que em adultos, sendo mais prevalente na primeira infância, sobretudo a partir do sexto mês de vida, momento em que o bebê costuma deixar de receber anticorpos da mãe que lhe são transmitidos através do leite materno nos primeiros meses.

No entanto, a estomatite infantil ocorre com maior incidência entre os dois e os cinco anos de idade, período em que as crianças normalmente iniciam a vida escolar e permanecem muito mais em contacto com outras crianças, e acomete ambos os sexos de igual forma.

A estomatite no bebê que surge com alguma frequência é a estomatite herpética infantil, por vezes referida como gengivoestomatite infantil, e a estomatite aftosa infantil, e tornam-se mais propensos nos meses mais frios e úmidos.

Geralmente, as manifestações da estomatite na criança, surgem passados cerca de 5 dias após o contágio com uma pessoa doente, e incluem regra geral, falta de apetite, irritabilidade, febre e dor, para além de pequenas lesões que aparecem na boca e garganta, o que leva os pais, e bem, a recorrer ao profissional de saúde.

Na estomatite, o contágio depende da causa subjacente. A estomatite viral é contagiosa por exemplo, sendo relativamente fácil de se transmitir ou “pegar”, através das gotículas de saliva ou do contato direto com a área afetada (beijo por exemplo), principalmente quando falamos do vírus do herpes (estomatite herpética).

Nestes casos, a incubação da doença (tempo até aparecerem as primeiras manifestações), pode ir dos 2 aos 12 dias. Por seu lado, a estomatite aftosa já não se torna contagiosa, ou seja, a doença não se transmite ou se “pega”.

De qualquer modo, nos casos onde existe o fator contagioso, a manifestação da doença depende em grande parte do estado geral de imunidade específico de cada pessoa.

O tratamento da estomatite assenta fundamentalmente numa terapia medicamentosa (medicação ou remédio), de acordo com o tipo de estomatite presente, tendo como objetivo aliviar os sintomas e reduzir o tempo de cicatrização, ainda que numa grande parte das vezes, dependendo também do tipo de estomatite, a afeção desapareça sem tratamento.

Entre os medicamentos mais prescritos para a estomatite encontram-se os anti-inflamatórios. Este tipo de fármaco, existe sob variadas apresentações, nomeadamente em comprimidos, pomada, bochechos, gel oral e em spray. São considerados também alguns sprays e pomadas com propriedades anestésicas para alívio sintomático, principalmente durante a fase aguda.

Em certos tipos de estomatite, por exemplo, de origem bacteriana, já se considera um tratamento antibiótico que poderá ter uma duração de uma semana, caso a infecção ceda com apenas um ciclo de medicação. A tetraciclina, entre outros, constitui um antibiótico para estomatite bastante utilizado, exceto nos casos onde ainda se esteja a verificar a formação de dentes permanentes, sob o risco de os tornar mais escurecidos.

 

Caso tenha alguma dúvida, entre em contato com a Nova Clínica Luz. 

Joomla contact form by 123FormBuilder